Leituras no mês de julho de 2013

SOUSA, Ricardo Barbosa. A espiritualidade, o Evangelho e a igreja. Minas Gerais: Ultimato, 2013. O modelo de espiritualidade intimista que invade as livrarias e até mesmo a igreja é uma versão religiosa do individualismo narcisista da sociedade. Uma espécie de escapismo subjetivo que nos afasta da realidade e das verdades bíblicas. Em A Espiritualidade, o Evangelho e a Igreja, o pastor Ricardo Barbosa deixa claro que a espiritualidade cristã e bíblica reconhece a centralidade da cruz e encontra nos Evangelhos – na pessoa de Cristo – e na presença do reino de Deus sua forma e seu conteúdo. Uma preciosa coletânea de textos, organizados em três blocos temáticos – “Espiritualidade”, “Evangelho” e “Igreja” – que guiam o leitor pelos tortuosos caminhos da religiosidade dos nossos dias. Contém 136 páginas.
MCDOWELL, Josh Sean McDowell. Mais que um carpinteiro. São Paulo: Voxlitteris, 2012. Num cenário onde o ateísmo e outras doutrinas tentam transformar em mito a verdade dos evangelhos, a nova versão da obra é um agudo testemunho da veracidade histórica de Cristo e sua ressurreição. Em 13 capítulos, o leitor passa dos argumentos científicos aos teológicos com inúmeras referências bíblicas e uma profunda argumentação baseada em amplo conhecimento exegético - do porquê das declarações de Jesus, e como elas evidenciam a sua divindade, e o sentido de seu sacrifício e ressurreição. Para os recém-convertidos, é um nutrido material que responde a vários questionamentos simples do primeiro amor, lançando alicerces firmes na fé, que desafiam a práxis da evangelização. Contém 192 páginas.
PAGANELLI, Magno. Conflitos na família. São Paulo: Arte Editorial, 2013. Um livro que trata de alguns personagens bíblicos como Raquel que pisou na bola em alguns aspectos de família e tentou dar um jeito para o andamento da vida de Jacó e não foi algo bom. Também Magno fala de um homem simples, mas precioso chamado Jabes. E no final faz algumas considerações com práticas para a vida em família. Contém 63 páginas.
PRITCHARD, Ray. O poder terapêutico do perdão. São Paulo: Mundo Cristão, 2006. Em O poder terapêutico do perdão, Ray Pritchard faz o caminho inverso do tradicional para mostrar a força libertadora e curativa que o perdão possui, e de que forma ela influencia a pessoa que se dispõe a concedê-lo. Não se trata de uma visão ingênua do assunto — pelo contrário, o autor reconhece a dificuldade de lidar com o conceito de não retribuir uma ofensa na mesma moeda. No entanto, Pritchard demonstra que há uma referência na qual podemos nos espelhar: o Supremo Perdoador, o próprio Deus. Contém 256 páginas.
CORDEIRO, Wayne. Andando com o tanque vazio - Encha o tanque e renove a paixão. São Paulo: Editora Vida, 2011. Você está andando com o tanque vazio? Se você é líder ou ministro de uma igreja, é bem provável que se identifique com a experiência do autor: uma jornada de três anos por um período de esgotamento extremo, o chamado “burnout”, sentindo-se esmagado pelas exigências do ministério. Há momentos em que você acha que todas as suas energias se esgotaram e então pensa em fugir da pressão constante. Neste livro, Wayne compartilha suas experiências de modo franco, na esperança de que isso mude o rumo de outras pessoas que poderiam seguir pelo mesmo caminho. Ele conseguiu recuperar a vida, voltar a um equilíbrio adequado e permitiu que Deus concedesse nova energia a seu espírito. Aprenda com a experiência do autor como você pode continuar tendo um ministério frutífero. Melhor ainda, beneficie-se dos conselhos do autor e evite a síndrome de burnout. Contém 192 páginas.
PIPER, John. Doce e amarga providência. São Paulo: Voxlitteris, 2012. Rute e Boas viviam perigosamente. Uma jovem viúva, imigrante, camponesa e um judeu de meia-idade, proprietário de terras, caminharam no limite da exclusão social, mas mantiveram absoluta integridade. O resultado foi surpreendente e afetou todas as gerações que se seguiram. Uma história fora do comum que vai de uma estratégia sexual a uma aliança racial, que transcorre sob a invisível mão de Deus, o qual lhes recompensou a fidelidade e a espera de forma surpreendente, pois vieram a fazer parte da linhagem do Rei dos reis. Contém 128 páginas.
CHAPMAN, Gary. O amor como estilo de vida. Rio de Janeiro: Editora: Sextante, 2009. Não há dúvida: o amor é a principal fonte de realização e felicidade de nossas vidas. Então, por que encontramos tanta dificuldade em dar e receber amor? Por que será que o convívio diário com nossos entes queridos muitas vezes acaba gerando frustração e insatisfação? O consagrado autor de As cinco linguagens do amor (cinco milhões de exemplares vendidos em todo o mundo) responde a essas questões neste livro. E o faz com a experiência e a sabedoria de um conselheiro matrimonial e familiar que já testemunhou e resolveu milhares de impasses entre parceiros, cônjuges, pais e filhos e amigos. Contém 257 páginas.
 
 

Comentários

Postagens mais visitadas