Emoção X Razão: Mulheres agem de forma emocional, homens se comportam racionalmente

Recentemente li o livro Homens são de Marte, mulheres são de Vênus de John Gray. Ele diz que quando se aborrecem, os homens querem silêncio e solidão. Já entre as mulheres, as preocupações resultam na matraca desenfreada, pois, falando acalmam-se. O ego masculino é movido à base de conquistas, o feminino é pura emoção. Ele deve escutá-la, e ela deve compreender seu silêncio. Conclusão: marido e mulher não falam a mesma língua, não são do mesmo planeta.
Na maioria dos processos normais, a mulher age de forma emocional, enquanto o homem se comporta de forma racional. Na nossa cultura costumamos dizer que os homens são insensíveis, durões e bem insensíveis. E com respeito às mulheres que elas são pura emoção e coração.
John Gray diz que “quando os homens e mulheres são capazes de respeitar e aceitar suas diferenças, então o amor tem uma grande chance de desaborchar” (GRAY, John. Homens são de Marte, mulheres são de Vênus. São Paulo: Editora Rocco, 1997, p. 24).
O grande problema é que convivemos com um elemento chamado ego que impede ambos de aceitarem os limites, os jeitos e as diferenças de cada um (homem e mulher). Algo que precisamos ponderar é que o homem é mais racional e a mulher é mais emoção. Olhemos um pouco para forma racional e objetiva do homem e a mulher nas suas relações com a emoção e como isso a afeta.
Analisando essa estrutura masculina percebemos que o homem é de um senso definido pela habilidade de alcançar resultados. Tudo é reflexo desses valores na vida do homem. Alguns homens são mais interessados em objetivos do que em pessoas. Atingir metas é muito importante para o ser racional. Isso para o homem é uma maneira de provar sua competência e se sentir melhor em todos os aspectos da vida. A maioria dos homens se orgulha por fazer as atividades e demandas da vida por si mesmo. Autonomia é uma arte de homens racionais.
Então na casa ele é o conserta tudo, dá conselhos aos filhos, é útil para tudo e se sobrar um espaço, talvez a esposa ajude em algo. O racional é o sabe tudo na maioria das vezes, e se a esposa dá uma “mancada” em alguma área, ele de maneira objetiva a corrige dizendo: querida não é assim! Com esse modo de ser os homens geralmente têm dificuldades para sentirem o lado da emoção fluir, porque são racionais e objetivos demais.
Analisando essa estrutura feminina vemos que a mulher é de um senso intuitivo, ela tem um espírito de atender as necessidades dos outros pelo próprio instinto feminino. Ela não se preocupa muito em mostrar ou provar sua competência. Para ela precisar de ajuda não é sinal de fraqueza, é ser humana. Um homem se sente muito ofendido em pedir ajudar e em reconhecer a fraqueza, mulher não. Ela diz quem é movida muito pela sua emoção.
A mulher nas suas emoções mostra sua personalidade através do choro, dos gritos, dos desejos e das suas frustrações. Ela é absolutamente genuína na expressão dos sentimentos. Não tem medo de dizer quem é e nem o que está sentindo. Ela coloca para fora mesmo.
O lado ruim em termos de relacionamento é que geralmente a mulher fala tudo o que sente. Coloca para fora o que está pensando. E sabemos muito bem que as palavras ferem profundamente lá na alma. E o homem é bem racional, só que lá no fundo ele soma todo o processo de palavras ditas pela mulher, e ele responde com ações duras, algumas vezes com atitudes de desprezo e abandonos emocionais.
O grande problema na mulher em ser movida pelas emoções é que ela espera que os homens lidem melhor com o estresse. Ela espera que os homens se abram e falem sobre seus problemas como normalmente ela faz. O homem na verdade, no meio dos problemas na sua forma racional que ir para a caverna, a mulher quer falar, chorar e se expressar. E ela deseja que o homem faça o mesmo Isso é um grande erro da mulher esperar que o homem esteja em contato com seus sentimentos amorosos, como é um erro o homem pensar que os sentimentos da mulher sejam uma expressão racional e lógica.
A grande crise na mulher em relação à emoção é que ela precisa se sentir amada, segura e protegida na hora da crise, da dor e dos conflitos. E nem sempre o ser homem racional entende isso. Talvez, seja essa falta de compreensão dos dois lados, tanto dos homens movidos pela razão, como das mulheres pela emoção, que tem gerado tantas separações inclusive no meio protestante.
Eu sei que o assunto é bem amplo e poderia ter muito mais discussão e uma avaliação mais abrangente, mas o espaço é curto. Portanto, quero deixar algumas dicas para os homens (da razão) e as mulheres (da emoção). Essas dicas são para melhorarmos os nossos relacionamentos como família, como casais na presença do nosso criador que entende os nossos conflitos e quer que aprendamos a lidar com eles pela graça e sabedoria nas Escrituras:
  • Vençamos os obstáculos de jeitos e diferenças pela amizade:
Tanto o casamento como os relacionamentos se baseiam na amizade. Temos de pensar em construir uma vida juntos na compreensão, no compartilhar as memórias, no envelhecer juntos e de ser honesto um com o outro em todo tempo. Isso ajuda no desenvolvimento da vida. Quando olhamos para o livro de Cantares 5.16 vemos a preocupação da amizade que a sulamita tem pelo seu amado: Tal é o meu amado, e tal o meu amigo.
A amizade sustenta as chamas do romance porque oferece a melhor proteção contra os sentimentos antagônicos para com o cônjuge. Na amizade vemos o outro como superior a nós mesmos. Assim olhamos com mais graça, com mais amor. E somos mais sentimentos e menos razão. E alcançamos mais equilíbrio entre razão e emoção.
  • Melhoremos a comunicação através da sensibilidade:
As Escrituras dizem em Colossenses 4.6: A vossa palavra seja sempre agradável, temperada com sal, para que saibais como vos convém responder a cada um. Em Provérbios Salomão diz que: A morte e a vida estão no poder da língua. O que bem a utiliza come do seu fruto (Provérbios 18.21).
A língua pode ser veículo de encorajamento ou canal de morte. Não haverá um casamento saudável se a comunicação não for positiva, harmoniosa ou respeitosa. O segredo de um casamento saudável é quando há comunicação saudável. Onde só prevalece a razão movida pela crítica, o romantismo acaba. E onde há só os sentimentos sem uma expressão sadia de palavras, o rancor assume o controle dos corações. As relações construídas são aquelas que têm a ver com arte de conversar.
Davi e Abigail são referências quando falamos de sensibilidade e comunicação. Abigail foi o instrumento da parte de Deus para mentoriar, orientar, guiar o coração de Davi para saber quem era. O que Deus iria fazer com ele, nele e para ele. Abigail lembra a Davi de que sua vida foi formada e condicionada pelas ternas e doces misericórdias do Pai, não pelos atos loucos de Nabal. Deus coloca na vida de Davi uma mulher que era casada com um tolo, mas que tinha prudência, temor e reverência para com Deus. Uma mulher que o faz voltar para Deus e ouvi-lo de novo.
Davi se permite escutar uma mulher que se torna sua mentora. Esta realidade é preciosa demais para a nossa caminhada cristã. Davi consegue escutar Abigail e ao ouvir as palavras profundas desta mentora, Davi recupera a beleza em si mesmo. Ele escutou aquela que Deus colocou em sua vida. Aquela que foi um termômetro espiritual para o seu coração.
Davi estava odioso em seu coração, preparado para a vingança sangrenta, ele queria defender a sua honra. Só que Abigail recobra a Davi a identidade que Deus mesmo havia lhe dado. A sensibilidade de dessa mulher foi fundamental para aplacar a ira do racional Davi. O sangue de inocentes seria derramado, mas Davi foi poupado de uma desgraça por causa da comunicação de uma mulher sensível e sábia diante de Deus. As doces palavras dela alimentaram a alma de Davi.
Precisamos não apenas alimentar nossa relação com palavras boas, mas também devemos ser o deleite e o prazer do nosso cônjuge com nossas palavras generosas, temperadas com sal. Palavras que edificam, constroem e produzem vida naqueles que nos ouvem. Assim, devemos usar a razão no sentido de pensar para falar no tempo certo e as emoções para falar com sensibilidade, carinho e cuidado. Homens lembrem-se que mulheres têm emoções e sentimentos e o compartilhamento das emoções constrói a intimidade emocional na relação de um casal. O simples dizer: estou aqui querida, será profundo para a vida dela.
Mulheres lembrem-se que homens têm razão e objetividade. Eles não gostam de ser desprezados nas ideias, de não serem ouvidos quando falam dos detalhes. Eles precisam de atenção também. Olhem e valorizem a capacidade deles através dos elogios e da presença como esposas na vida deles. Pensemos sobre essas questões para melhorar o nosso relacionamento como família na presença do Eterno Deus.
____________
Alcindo Almeida: membro da equipe pastoral da Igreja Presbiteriana da Alphaville na cidade de São Paulo.

Comentários

Postagens mais visitadas